FANDOM


Esse artigo fala sobre o personagem principal. Caso não seja isso que procura, acesse Connor (desambiguação)
LED - Detroit
Traduzindo...
Este artigo está em processo de construção. Você pode contribuir editando ele.

"Eu não estou em nenhum lado, eu fui projetado para parar os divergentes e é isso que eu pretendo fazer."
- Connor, para Kamski em Conheça Kamski.

Connor é um android do modelo RK800 e um dos três protagonistas de Detroit: Become Human. Construído como um protótipo avançado, ele é projetado para auxiliar a aplicação da lei humana; especificamente na investigação de casos envolvendo androids divergentes.

Enviado para o Departamento de Polícia da Cidade de Detroit, Connor foi designado para trabalhar com o tenente Hank Anderson. Durante todo o curso de sua investigação, Connor pode fazer descobertas sobre os casos e tornar-se um agente decisivo na decisão dos próximos eventos.

Biografia

Pre-jogo

Connor é um android da serie de prototipos RK, criado pela a Cyberlife, seu serial é o #313 248 317. Ele foi criado em agosto de 2038.

Ele é projetado pela empresa para investigar e lidar com andróides divergente e ajudar o Departamento de Polícia da Cidade de Detroit. Ele é enviado pela primeira vez para fazê-lo no mesmo mês em que foi libertado.

Connor começa com um "- 51" anexado ao seu número de série, que conta de acordo com os corpos usados.

Jogo

A Refém

No primeiro capítulo "A Refém", Connor é enviado como um negociador para uma situação de reféns no apartamento Phillips, onde ele enfrenta um andróide divergente chamado Daniel que levou Emma Phillips como refém. Com base nas ações do jogador, Connor pode salvar Emma ou não, com Connor morando ou morrendo no processo.[1]

Parceiros

Hank e Connor, no bar jimmy, parceiros

Connor encontra Hank no Bar Jimmy

Em novembro de 2038, Connor é enviado para o Departamento de Polícia da Cidade de Detroit para ajudar na investigação de androides divergentes através de Detroit e é designado para o Detetive Tenente Hank Anderson. Connor e Hank Anderson investigam o possível homicídio de um homem chamado Carlos Ortiz, que aparentemente foi morto por seu próprio androide.

Não há morte possível para Connor nesta missão. Ele pode encontrar o androide e alertar a outra polícia. Alternativamente, se Connor for incapaz de descobrir a sequência correta de ações durante o homicídio e derramar a bebida de Hank antes, Hank ficará irritado e renunciará à missão, forçando Connor a desistir. O Androide permanecerá sem ser detectado.[2]

Referencias

  1. "A Refém"
  2. "Parceiros"